O tabagismo é uma doença caracterizada pela dependência física e psicológica do tabaco, uma planta com substâncias que trazem efeitos negativos à saúde.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), apesar de a quantidade de fumantes ter diminuído ao longo dos anos graças às campanhas conscientizadoras, diariamente, morrem 443 pessoas no Brasil por essa causa.

Além disso, ainda segundo o INCA, cerca de 10% dos fumantes chegam a reduzir sua expectativa de vida em 20 anos.

Mundialmente, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, o tabagismo é a principal causa de morte evitável.

Esses dados mostram a importância de se discutir essa doença, principalmente entre os médicos e pacientes. Para isso, criei esse artigo. Continue lendo e saiba mais sobre o impacto do cigarro para a saúde do coração.

Qual a relação entre o tabagismo e a saúde do coração?

O tabagismo está diretamente relacionado a diversas doenças, mas se engana quem pensa que elas só afetam o sistema respiratório.

Segundo a Revista Brasileira de Hipertensão, 29% das mortes por doenças relacionadas a tabaco ocorrem por problemas cardiovasculares. Saiba quais são as duas principais alterações causadas pelo cigarro.

Aterosclerose

A aterosclerose, também chamada de enrijecimento das artérias, ocorre quando há a formação de placas de gordura, colesterol e outras substâncias nas paredes e dentro dos vasos sanguíneos.

O tabagismo, por sua vez, acelera esse processo em diferentes áreas do corpo, o que aumenta as chances de ocorrer:

  • infartos,
  • acidentes vasculares cerebrais,
  • problemas circulatórios.

Vale ressaltar ainda que, segundo um estudo publicado na Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, cerca de 47% das pessoas que passam por uma amputação dos membros inferiores por causas vasculares têm histórico de tabagismo.

Como parar de fumar?

O primeiro passo para parar de fumar é compreender que o tabagismo é um vício, e, por isso, é uma doença.

Assim como toda patologia, é importante haver o acompanhamento de um médico. Esse especialista irá identificar o grau da dependência e direcionar o tratamento mais indicado.

Nos graus mais leves, recomenda-se a cessação do tabagismo e a mudança nos hábitos diários, incluindo exercícios físicos e alimentação saudável. Já para os mais elevados, apenas ter força de vontade para mudar pode não dar certo.

Nesses casos, pode-se utilizar medicamentos ou outros recursos, como adesivos de nicotina para combater a abstinência, que pode causar:

  • irritabilidade,
  • depressão,
  • mudanças no humor,
  • falta de concentração,
  • mudanças no apetite,
  • insônia.

Após essa fase inicial, começa a segunda, onde o vício não é mais físico, mas psicológico. Muitas pessoas recorrem ao tabaco quando passam por um momento de estresse ou lidam com um problema e, ao parar de fumar, é preciso ter outro tipo de escape.

Por isso, sempre recomendo aos meus pacientes que façam o acompanhamento também com um psicólogo para aprender a lidar com suas frustrações.

Não deixe de procurar pelo tratamento adequado para você cessar o tabagismo e de compartilhar esse artigo com os seus amigos fumantes para incentivá-los a fazer o mesmo.