Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 45% da população do mundo sofre com os distúrbios do sono e um dos mais comuns é a SAHOS.

A Síndrome de Apneia e Hipopneia Obstrutiva do Sono é considerada uma doença grave, já que a respiração para e volta diversas vezes durante o período em que a pessoa está dormindo.

Geralmente ela está associada ao ronco e, além de interferir na qualidade de vida da pessoa, esse distúrbio pode trazer riscos para os rins e coração. 

O grande problema é que praticamente 90% dos portadores dessa síndrome não são diagnosticados e nem realizam o devido tratamento.

Por isso, resolvi trazer mais informações sobre o assunto, para ajudar a todos que sofrem desse mal e que desconhecem os seus riscos. 

O que é SAHOS? 

SAHOS, como é conhecida a Síndrome de Apneia e Hipopneia Obstrutiva do Sono, é definida como o estreitamento anatômico das vias aéreas superiores, boca e nariz, enquanto a pessoa dorme.

Esse estreitamento diminui o fluxo de ar para os pulmões e é caracterizado por ruídos ou roncos e pela interrupção na respiração.

Geralmente esse problema não é percebido pelo paciente e, sim, pelo cônjuge ou familiares. Nesse sentido, é importante frisar que não se trata de um simples ronco.

As interrupções respiratórias, além de interferirem na qualidade do sono, podem trazer danos sérios para a saúde. Por  isso, sempre que houver suspeita que o paciente sofre dessa síndrome, o médico deve ser procurado o quanto antes. 

O diagnóstico da SAHOS é realizado com a polissonografia, um exame que monitora os parâmetros fisiológicos do paciente enquanto ele dorme.

Com o exame é possível identificar:

  • se a apneia é central, obstrutiva ou mista,
  • se o grau dela é leve, moderado ou severo,
  • a quantidade de interrupções durante o sono,
  • as alterações cardíacas, respiratórias e cerebrais,
  • o tempo de saturação mínima de oxigenação arterial.

Quais são os fatores de risco?

A Síndrome de Apneia e Hipopneia Obstrutiva do Sono é uma doença multifatorial que pode acometer crianças e adultos. 

Ela pode ocorrer por alterações na musculatura esquelética das vias aéreas superiores, bem como por carga genética.

São considerados fatores de risco:

  • aumento de peso ou obesidade,
  • ser do sexo masculino,
  • pressão alta,
  • diabetes,
  • maxilar inferior encurtado,
  • amígdalas aumentadas.

Como a SAHOS está relacionada com outros problemas de saúde? 

O sono é um processo fisiológico necessário para o bom funcionamento de todo o nosso corpo e também para a nossa saúde mental. 

A ausência dele compromete a qualidade de vida, a concentração e a produtividade do paciente, bem como pode causar algum desconforto no relacionamento, já que o ronco rotineiramente pode ser motivo de insônia do cônjuge.

A Síndrome de Apneia e Hipopneia Obstrutiva do Sono, quando não tratada, pode promover distúrbios cognitivos e também trazer riscos para a saúde do paciente. 

Os mais comuns são: 

Estudos comprovam que mais de 50% dos pacientes com SAHOS apresentam arritmias noturnas. Eles também têm maiores chances de desenvolverem insuficiência cardíaca. 

Esse mesmo estudo mostra que os acometidos pela síndrome também apresentam maior risco de formação de placas de colesterol nos vasos e de lesão renal.

Qual é o melhor tratamento?

Após o diagnóstico e a análise do grau da apneia, o tratamento geralmente consiste no uso de aparelhos.

Um deles é o CPAP, um equipamento que gera e direciona um fluxo de ar contínuo para o interior da cavidade nasal. Ele é composto por uma máscara que é ligada através de um tubo ao aparelho. As máscaras de hoje em dia são bem silenciosas e não incomodam o paciente e nem a pessoa que está dormindo do lado.

Fonte: CPAP Fit

Também pode ser indicado o uso de aparelho intraoral de avanço mandibular que, geralmente, é produzido pelo cirurgião-dentista sob medida. 

Além disso, é importante controlar os outros fatores de risco, como diabetes e colesterol, e estabelecer hábitos saudáveis, como a prática regular de atividade física, alimentação saudável e perda de peso. A soma desses fatores contribui de forma eficaz na prevenção da doença e na diminuição do risco cardiovascular.
Agora que você sabe mais sobre a SAHOS e as consequências dela, entre em contato comigo para fazer a sua avaliação e manter em dia a saúde do seu coração.